O que estás a ler, Luísa Arruda?


A Luísa Arruda tem 40 anos, é Açoreana, nasceu em São Miguel, mas adoptada e apaixonada por Lisboa desde os 18, para onde veio estudar Física. Presentemente é investigadora em Física de Partículas mais propriamente na área de Física do Espaço. É casada e tem uma menina de 7 anos, a Leonor. 

Descobriu a paixão pela leitura desde que aprendeu a ler, passado dois meses de ter entrado na escola. Antes disso delirava que lhe lessem histórias: a colecção da Anita, livros do Petsi, várias obras da Condessa de Ségur e outros clássicos. Era habitual ir com o avô para o Jardim Antero de Quental em Ponta Delgada lanchar e depois disso, ao invés de se lançar em correrias e outras tropelias, ficar sentada com ele num pacato banco enquanto lhe lia “Os desastres de Sofia”, “As Meninas Exemplares” e outros títulos da famosa colecção Azul, herdada da sua mãe. Também passou longas tardes de fim de semana com o pai a ler-lhe livros como “A maravilhosa Viagem de Niels Holgersson”, mais de 400 páginas de uma jornada de fantasia por outras paragens, numa cumplicidade boa.
Quando descobriu que o conseguia fazer por si, passou a devorar tudo o que apanhava, delirando quando descobriu autoras como Sophia de Mello Breyner Andresen, Matilde Rosa Araújo, Alice Viera, Ilse Llosa e a Luísa Ducla Soares (que hoje a filha já aprecia). Foi todo um novo universo literário que se abriu. O gosto pela leitura foi-se desenvolvendo e evoluindo ao longo da adolescência, período da faculdade e idade adulta. É uma leitora em construcção sempre a descobrir novos autores que a surpreendem positivamente e dos quais deseja ler a obra completa e outros que simplesmente não percebe o alarido literário que se gera à sua volta.

Há um registo fotográfico muito giro da Luisinha de 3 anos com a Anita na praia debaixo do braço, ampliado e emoldurado lá por casa dos pais e avós, evidenciando que é "livromaníaca" desde essa idade, ganhando a fama e proveito de andar sempre com um livro atrás.

Como anda de transportes públicos, consegue sempre somar um número considerável de páginas nestas alturas. Troca a televisão por um livro, aos fins de semana se acorda primeiro gosta de ler no silêncio da casa; ao longo do dia também dedica  algum tempo ao livro que tem em mãos, lendo uma média de 2 livros por mês. 
É muito disciplinada, lê um livro de cada vez, mas se estiver com algum de leitura mais árdua pela temática ou pelo estilo de escrita pode intercalar com outro mais fluído. 

A Luísa como física gosta de fazer estimativas e em 34 anos de leitora activa, fez as suas contas e talvez já tenha varrido uns 1660 títulos. 
Se fosse para um ilha deserta e só pudesse levar um livro, talvez elegesse uma bíblia de culinária: o Pantagruel! 

Actualmente todo o investimento que faz em livros é para a filha, pelo que praticamente não compra livros de adultos. Tem a sorte de ter familiares e amigos com bom gosto literário e espírito de partilha que lhe emprestam vários livros e é também uma “habituée” das Bibliotecas Municipais de Lisboa já há quase duas décadas. 

Perguntei à Luísa se não se ama alguém que não lê os mesmos livros, e a resposta foi:
"Discordo. A leitura é em si um acto solitário e não implica necessariamente partilha. Lá em casa temos gostos literários diferentes com alguns pontos de contacto e funciona. Até acho interessante gostarmos de estilos distintos pois assim podemos expor ao outro uma temática diferente. É uma forma de ter acesso ao conteúdo do livro sem ter o investimento de tempo de o ler. Na verdade, conversamos sempre acerca do que estamos a ler. Acho mais crítico o consenso no gosto cinematográfico de um casal, por exemplo. Aqui sim temos gostos muito semelhantes."

Neste momento encontra-se a ler As Vinhas De La Templanza” de María DueñasDescobriu este livro nas livrarias este verão, depois ouviu a opinião de familiares e amigos que o leram no imediato e recomendaram. Descobriu esta escritora recentemente e gostou tanto da sua escrita quer ler mais obras dela.

"A escrita de Dueñas é possante e revela um domínio da narrativa extraordinário. As personagens estão tão bem caracterizadas e movem-se num cenário muito fidedigno à época. Já o tinha notado em “O tempo entre costuras” em que seguimos uma personagem feminina, Sira Quiroga, ao longo de toda a trama que se desenrola numa Espanha pró-Hitler, no protetorado de Tanger e Tétouan e até passa por Lisboa. Mas se Dueñas é magistral a contar a história no feminino também o é no masculino. Neste que estou a ler seguimos um maduro mineiro, Mauro Larrea que parte da jovem república Mexicana em busca de melhor sorte após ter perdido a sua fortuna. A história é repleta de aventura, intriga e paixão, ingredientes que os autores da língua de Cervantes conjugam tão bem mas Dueñas fá-lo magistralmente sem se engasgar e perder-se em descrições supérfluas ou figuras de estilo abusivas. Ainda só estou a chegar a meio mas já estou a ver a receita repetir-se. Identifico alguns pontos de contacto com a escrita do seu contemporâneo, Pérez-Reverte em que a escrita escorre fluída e forte. Anseio terminar as 535 páginas e descobrir o que o destino de Dueñas reserva à sua personagem e às que se cruzam com ela. Pisco o olho ao seu novo livro, Las hijas del Capitán, publicado este ano, talvez ainda o ataque em Castelhano, mas um de cada vez como eu gosto. "

Obrigada Luísa pela partilha, continuação de excelentes leituras, podem encontrar a Luísa e as suas leituras aqui e aqui.

Beijinhos * Cláudia 

Enviar um comentário

Instagram

TODAS AS IMAGENS E CONTEÚDOS DESTE BLOG SÃO PROPRIEDADE DE CLÁUDIA GONÇALVES GANHÃO.
NÃO É PERMITIDO COPIAR OU UTILIZAR QUAISQUER CONTEÚDOS DESTE BLOG
PARA QUALQUER FINALIDADE SEM AUTORIZAÇÃO DA MESMA.
© by Cláudia Gonçalves Ganhão . Design by Fearne.